Páginas

5

Ciúmes do primogênito pode ser evitado?

Vou começar esse post dizendo que sou mãe coruja sim (e qual mãe não é?). Pois acho os meus filhos os mais lindos, educados e amorosos do mundo!

Meus filhos estão mesmo muito fofos ultimamente, eles entraram em uma fase deliciosa, onde já brincam juntos sem precisar da minha supervisão constante, às vezes fico um bom tempo só os observando e vejo como eles se gostam, pois há trocas de brinquedos, abraços beijos…enfim, meu coração derrete de vê-los com tanto amor um pelo outro. 

Claro que de vez em quando rola umas disputas por brinquedo, são irmãos e se desentendem sim, mas tudo muito "tranquilo" por assim dizer, só um empurrão aqui, outro choro alí, mas nada além disso, uma pequena intervenção minha e tudo se resolve.



E sinto que essa amizade entre eles acontece por não terem ciúmes um do outro. É verdade (apesar de muitos já vieram me falar que é claro que TODOS os irmãos sentem ciúmes), meus dois meninos não sentem ciúmes um do outro, o mais novo às vezes mostra algum sinal quando o Davi está no meu colo e ele quer também, e aí faço um "esforço enorme" e pego meus dois meninos no colo e aí o ciúme do Daniel passa.

Ouço tantas histórias de irmão que se degladiam desde muito pequenos (eu e meu irmão por exemplo, só fomos nos dar bem depois que eu casei e saí de casa…) e muitas vezes essas brigam acontecem por terem ciúmes um dos outros.

Como vivi isso na pele (eu tinha ciúmes do meu irmão, por ele ser o caçula e eu ter toda a responsabilidade) tinha pavor que meus filhos sentissem ciúmes um do outro, e logo que o Daniel nasceu comecei a agir de uma certa maneira para que o Davi entendesse que o irmão que acabara de nascer não lhe tiraria o lugar (não sei se foi isso exclusivamente, mas creio que grande parte foi) . Acho que as atitudes da mãe aos primeiros contatos dos irmãos influencia em como se relacionarão no futuro.

O Davi tinha dois anos quando o Daniel nasceu, e logo que entrou no quarto para conhecer o irmão ficou curioso e um pouco receoso de me ver com outro bebê (menor que ele) no colo, percebendo isso eu imediatamente o chamei para sentar no meu colo e conhecer o Daniel, pois ele seria seu irmão e companheiro para vida toda.

Com os dois no colo (claro que meu marido estava me ajudando pois a cesárea estava doendo) o Davi quis "conhecer" o irmão, e como uma criança de dois anos conhece a outra? Pondo a mão, a boca e todas as partes do corpo que conseguir, e eu deixei, claro que quando ele tentava colocar o dedo no olho do Daniel eu explicava para ele que por ele ser grande e forte poderia machucar o Daniel pois ele era pequeno e frágil, mas não corria e tirava o dedo, deixava-o encostar na pálpebra. E assim ele olhou, mexeu, apertou, colocou o dedinho do Dani em sua boca, e ficou lá por uns 15 minutos, até que já tinha visto tudo que queria e foi assisti seu backyardgans.

Um tempinho mais tarde quando o Daniel chorou, o Davi pegou um de seus carrinhos e colocou no bercinho e só disse: Tó! E entendi que ele estava dando seu carrinho para o irmão não chorar, quase chorei de ver meu filhote já dividindo seus brinquedos com o irmão, que orgulho!.

E quando chegamos em casa sempre deixei o Davi "brincar" com o Dani, às vezes o Davi exagerava e o Daniel chorava então eu explicava novamente que o Dani era pequeno para certos tipos de brincadeiras mas quando crescesse mais um pouquinho iriam brincar juntos de tudo. E como o Davi não gostava do choro do Daniel, evitava certos tipos de coisas, "pegava mais leve" com o irmão.


O Davi ficava na escolinha de manhã e parte da tarde, então conseguia dar a atenção que o Daniel requeria, e quando o Davi chegava toda minha atenção era para dele pois sempre colocava o Daniel para dormir antes dele chegar, e quando o irmão acordava eu me dividia para dar atenção aos dois (muitas vezes dava janta para o Davi com o Dani "pendurado" em mim sendo amamentado).

E assim foi os meses se passando, eu me dividindo em dois e até em três (pois nunca poderia me esquecer do meu maridinho que sempre me ajudava) numa agitação só. MAs foi sempre muito gostoso pois percebi que meu amor não foi dividido entre o Davi e o Daniel, eu passei a amar mais ainda o Davi vendo-o brincar com o irmão e amava o Daniel com a mesma intensidade, pois via que da sua maneira tentava interagir com o irmão (o primeiro sorriso do Daniel foi para o Davi).


Tudo isso foi cansativo sim, algumas vezes pensava que não iria dar conta, mas hoje com os dois já "crescidos" vejo que tudo valeu a pena e passou tão rápido que já estamos providenciando o(a) terceiro(a)! Quero sim do fundo do meu coração uma menininha, mas Deus sabe o que faz, se vier outro menino sei que ele será tão lindo, fofo e amoroso quanto o Davi e o Daniel.


E seu filhos sentem ciúmes? O que você faz para evitar?

5 comentários:

Fanny Barbosa disse... [Responder o Comentário]

Amiga eu não tenho ciúmes da minha irmã, pelo contrário nossa relação é quase de mãe para filha, pq sou bem mais velha que ela, e inclusive no meu blog postei isso, e vai muito de como os pai apresentam o filho caçula, e como dividem a atenção e dosam a diferença de personalidade.
Já meu marido é outra história, apesar da irmã negar, ela sente ciúmes e inveja, e por isso vivem em pé de guerra, ela vivem falando mal do irmão pelas costas, uma verdadeira cobra cascavel, e sabe o que os pais fazem? Nada São coniventes pq não querer brigar com nenhum dos filhos.
Então mantenha a relação dos seus filhos sempre harmoniosa, dai no futura eles vão ser grandes amigos!
parabéns gostei do post!

Carla Mãe da Maria Clara disse... [Responder o Comentário]

Adorei este post seu. Adorei seu blog também. Também fico buscando experiências aqui pelo mundo das blogueiras e adoro achar coisas interessantes assim como o seu blog :-).
Isso de ciúmes do primogênito é um assunto polêmico. Tenho apenas uma (por enquanto) e me pego pensando de como dar atenção certa para os dois... A diferença de idade dos seus é de qto tempo?
Bjs adorei seu blog!! Vou seguir!!

Carla Mãe da Maria Clara disse... [Responder o Comentário]

É uma boa diferença para ter filhos, né? Estou segurando um pouco pra poder acertar melhor minha vida aqui em BH. Sou recém chegada nesta cidade...
Concordo com vc também. O importante é que nasça com saúde e forte e belo e tudo de bom porque eles são a melhor coisa das nossas vidas!! :-)
Bjs pra vc e seus pimpolhos :-)

Um espaço pra chamar de meu disse... [Responder o Comentário]

Eu tenho 2 irmãos, um nasceu qdo eu tinha 4 anos o outro qdo eu tinha 9,então eu e o do meio brigávamos muito o mais novo eu cuidava como mãe,paramos de brigas depois q casei e ele ama meus filhos.
Aqui em casa Daniel nasceu quando Suzana tinha 2, por orientação da pediatra, chegamos da maternidade com uma boneca enorme q o irmãozinho deu pra ela,sempre envolvíamos ela nos cuidados do bb, procuramos tbém nao mudar sua rotina,ela q iria pra escola só foi aos 4 e não saiu do meu quarto, para que nao vinculasse a figura do irmão com coisas ruins, bem mesmo com todos os cuidados, hj com 10 e 8 eles brigam bastante, fico louca com isso,muita implicância e reclamações, mas se estão longe querem ficar perto, coisas de irmão...espero q melhore mais tarde, mas por ver outras amigas com filhos até mesmo adultos vi que não muda muita coisa não.Bjs!!!

Dani Sass disse... [Responder o Comentário]

a-do-rei seu post! até me emocionei em imaginar a cena do maior tocando e acariciando o menor no seu colo na maternidade.. deve ter sido uma experiencia incrível!
eu tenho um "sobrinho", o filho da minha melhor amiga, que tem 3 aninhos.. ele tb é o sobrinho da minha irmã (ela se casou com o irmão da minha amiga, então estamos todos em família.. rs..) e era a única criança na família.. mas qdo fiquei grávida, a atençao passou a ser dividida comigo.. ele sempre falava da minha bebe, que iria dar as suas chupetas pra ela, q iria comprar bonecas pra ela (pq eram coisa de meninas e não de meninos.. rs..), etc.. mas qdo eu chegava, ele ficava todo amuadinho.. depois de um pouco de insistencia, vinha passar a mao na barriga e acabava dando seus brinquedos pra barriga brincar.. rs..
aí nasceu a anaju.. ele foi visitar na maternidade, pegou no colo, ficou olhando, olhando.. deu até um beijinho.. chegou em casa só falando nela.. em como era pequenininha, tinha maozinhas, pezinhos, boquinha... tudo tão pequenininho.. rs..
ficamos bem felizes em ver a reação dele diante da "priminha"...
só agora, depois de 4 meses, ele vem mostrando um pouco de ciume, mas bem tranquilo.. qdo brinca com seus bonecos, um diz pro outro: "não aguento mais aquela menininha.." ou fica se comparando, pq os olhos da bebe sao azuis e os dele não.. coisas assim..
qdo está com ela, ele quer olhar, tocar.. mas qdo tá longe exige atenção da mãe dele e reclama da juju.. vai entender, né?
de certa maneira tem servido como experiencia pra minha amiga, que quer ser mãe novamente..
enfim... vamos ver como vai ser a convivencia deles daqui pra frente..
ah! amei o blog! vou segui-lo! e obrigada por comentar no meu..

bjins