Páginas

5

Ciúmes do primogênito pode ser evitado?

Vou começar esse post dizendo que sou mãe coruja sim (e qual mãe não é?). Pois acho os meus filhos os mais lindos, educados e amorosos do mundo!

Meus filhos estão mesmo muito fofos ultimamente, eles entraram em uma fase deliciosa, onde já brincam juntos sem precisar da minha supervisão constante, às vezes fico um bom tempo só os observando e vejo como eles se gostam, pois há trocas de brinquedos, abraços beijos…enfim, meu coração derrete de vê-los com tanto amor um pelo outro. 

Claro que de vez em quando rola umas disputas por brinquedo, são irmãos e se desentendem sim, mas tudo muito "tranquilo" por assim dizer, só um empurrão aqui, outro choro alí, mas nada além disso, uma pequena intervenção minha e tudo se resolve.



E sinto que essa amizade entre eles acontece por não terem ciúmes um do outro. É verdade (apesar de muitos já vieram me falar que é claro que TODOS os irmãos sentem ciúmes), meus dois meninos não sentem ciúmes um do outro, o mais novo às vezes mostra algum sinal quando o Davi está no meu colo e ele quer também, e aí faço um "esforço enorme" e pego meus dois meninos no colo e aí o ciúme do Daniel passa.

Ouço tantas histórias de irmão que se degladiam desde muito pequenos (eu e meu irmão por exemplo, só fomos nos dar bem depois que eu casei e saí de casa…) e muitas vezes essas brigam acontecem por terem ciúmes um dos outros.

Como vivi isso na pele (eu tinha ciúmes do meu irmão, por ele ser o caçula e eu ter toda a responsabilidade) tinha pavor que meus filhos sentissem ciúmes um do outro, e logo que o Daniel nasceu comecei a agir de uma certa maneira para que o Davi entendesse que o irmão que acabara de nascer não lhe tiraria o lugar (não sei se foi isso exclusivamente, mas creio que grande parte foi) . Acho que as atitudes da mãe aos primeiros contatos dos irmãos influencia em como se relacionarão no futuro.

O Davi tinha dois anos quando o Daniel nasceu, e logo que entrou no quarto para conhecer o irmão ficou curioso e um pouco receoso de me ver com outro bebê (menor que ele) no colo, percebendo isso eu imediatamente o chamei para sentar no meu colo e conhecer o Daniel, pois ele seria seu irmão e companheiro para vida toda.

Com os dois no colo (claro que meu marido estava me ajudando pois a cesárea estava doendo) o Davi quis "conhecer" o irmão, e como uma criança de dois anos conhece a outra? Pondo a mão, a boca e todas as partes do corpo que conseguir, e eu deixei, claro que quando ele tentava colocar o dedo no olho do Daniel eu explicava para ele que por ele ser grande e forte poderia machucar o Daniel pois ele era pequeno e frágil, mas não corria e tirava o dedo, deixava-o encostar na pálpebra. E assim ele olhou, mexeu, apertou, colocou o dedinho do Dani em sua boca, e ficou lá por uns 15 minutos, até que já tinha visto tudo que queria e foi assisti seu backyardgans.

Um tempinho mais tarde quando o Daniel chorou, o Davi pegou um de seus carrinhos e colocou no bercinho e só disse: Tó! E entendi que ele estava dando seu carrinho para o irmão não chorar, quase chorei de ver meu filhote já dividindo seus brinquedos com o irmão, que orgulho!.

E quando chegamos em casa sempre deixei o Davi "brincar" com o Dani, às vezes o Davi exagerava e o Daniel chorava então eu explicava novamente que o Dani era pequeno para certos tipos de brincadeiras mas quando crescesse mais um pouquinho iriam brincar juntos de tudo. E como o Davi não gostava do choro do Daniel, evitava certos tipos de coisas, "pegava mais leve" com o irmão.


O Davi ficava na escolinha de manhã e parte da tarde, então conseguia dar a atenção que o Daniel requeria, e quando o Davi chegava toda minha atenção era para dele pois sempre colocava o Daniel para dormir antes dele chegar, e quando o irmão acordava eu me dividia para dar atenção aos dois (muitas vezes dava janta para o Davi com o Dani "pendurado" em mim sendo amamentado).

E assim foi os meses se passando, eu me dividindo em dois e até em três (pois nunca poderia me esquecer do meu maridinho que sempre me ajudava) numa agitação só. MAs foi sempre muito gostoso pois percebi que meu amor não foi dividido entre o Davi e o Daniel, eu passei a amar mais ainda o Davi vendo-o brincar com o irmão e amava o Daniel com a mesma intensidade, pois via que da sua maneira tentava interagir com o irmão (o primeiro sorriso do Daniel foi para o Davi).


Tudo isso foi cansativo sim, algumas vezes pensava que não iria dar conta, mas hoje com os dois já "crescidos" vejo que tudo valeu a pena e passou tão rápido que já estamos providenciando o(a) terceiro(a)! Quero sim do fundo do meu coração uma menininha, mas Deus sabe o que faz, se vier outro menino sei que ele será tão lindo, fofo e amoroso quanto o Davi e o Daniel.


E seu filhos sentem ciúmes? O que você faz para evitar?

5 comentários: