Páginas

27

Quero três filhos sim!

Eu sempre sonhei em ter três filhos. O sonho de ter uma família grande sempre povoou meus pensamentos, tanto que sempre disse ao meu marido (desde quando namorávamos) que tudo seria negociável em nossa vida, menos isso, queria ter três filhos e não iria mudar de idéia.

Um sonho? Uma loucura? Não sei, mas para mim isso sempre foi meu desejo.

Quando engravidei do meu primeiro filho, eu já falava do meu sonho de ser mãe de três, e TODOS me diziam: "espere para ter o primeiro que você irá mudar de idéia". Confesso que isso me assustava um pouco sim. E se eu não desse conta nem de um, e se eu não fosse uma boa mãe, e se eu não gostasse realmente de ser mãe, e se… 

Muitos "e ses" passaram na minha cabeça, até que o Davi nasceu e mostrou que tudo aquilo que eu pensava da maternidade estava errado. A maternidade não era bom, era muito melhor do que eu havia imaginado e sonhado! Passei sim por dificuldades, estresse, tudo aquilo que uma mãe de primeira viagem passa, mas o conjunto todo era muito bom, meu marido me ajudando, aquele bebezinho lindo nos meus braços, aquele sentimento de amor fundamental que eu nunca havia imaginado sentir…Tive minhas dificuldades mas o que era bom superava e muito todo cansaço e desânimo do começo.

E para me ajudar o Davi sempre foi um bebê-anjo (definição dos tipos de bebês do livro da Tracy Hogg), sempre dormiu a noite inteira, mamava super bem, nunca ficava doente, era perfeito! Então, já logo quis o segundo, pois assim poderia criar os dois juntos. E logo engravidei de novo. O Davi estava com 1 ano e 3 meses.

Nisso as mesmas pessoas que me diziam que eu seria louca de ter três falavam: "agora você vai desistir de ter três, pois com dois você ficará maluquinha e desistirá dessa idéia". E depois de nove meses (ouvindo baboseiras) nasceu o Daniel, e novamente tive um bebê lindo.

O Daniel chorava um pouco mais que o Davi e claro que fiquei mais cansada pois tinha dois bebês para cuidar, o Daniel e o Davi que tinha acabado de fazer 2 anos. E como eu não queria que ele sentisse o nascimento do irmão como uma coisa ruim, me desdobrava para fazer tudo que fazia com ele antes do Daniel nascer. Claro que eu não conseguia, me cansei demais, mas sei que fiz o meu melhor pois o Davi nunca demonstrou ciúmes do irmão, ele sempre se sentiu amado e sabia que fazia parte de tudo aquilo que estava acontecendo.

E agora tenho dois meninos lindos, bonzinhos, que me ajudam e fazem da minha vida uma alegria. Sinto que cabe sim mais um filho na nossa família, exatamente como sempre sonhei, e aí sempre ouço os comentários contrários: "Três filhos é muito" ,"Você terá muito trabalho", "Você nunca mais terá vida social", "Como vai bancar três filhos se você não trabalha?"

Fico brava sim quando as pessoas vêm com esse tipo de pergunta e argumentação contra o terceiro filho. Nada disso justifica não querer ter outro filho. Aqui vão meus pontos:

Filhos são herança do Senhor! Isso por si só já é uma alegria. E se com meus dois meninos minha casa é animada (e agitada, e bagunçada sim, mas tudo isso é muito gostoso), com um terceiro essa alegria só tenderá a aumentar. Quem disse que três é muito? E porque é muito? Eu não concordo não.

Criança dá trabalho sim! Mas na minha opinião é o trabalho mais recompensador que uma mulher pode ter. Pois quando o filho crescer ela verá o fruto do seu trabalho e tenho certeza que eu me orgulharei muito desse meu trabalho, em nenhum outro trabalho terei esse tipo de regozijo, pois qualquer sucesso na carreira profissional é passageiro, mas meus filhos me trarão orgulho para vida toda.

Filho não é empecilho para vida social, nem viagens, nem passeios, nem nada se não quiser! Sair com criança é bem mais complicado que sair em casal, sempre temos que carregar um monte de tralhas (agora já nem tanto, até isso já está melhor), em viagens temos que nos assegurar que no hotel tem estrutura para crianças….É outra coisa, mas sempre viajamos, passeamos e até isso ficou mais divertido, é uma delícia vê-los conhecendo um lugar e descobrindo coisas novas, isso torna a viagem muito especial. O Davi por exemplo, foi em um casamento conosco quando tinha 4 meses e com o Daniel fizemos uma viagem bem longa quando ele tinha apenas 28 dias, e em todas essas situações particularmente nos saímos bem.  

E vida social? Minha vida social está muito mais agitada agora que antes. Pois sempre tem uma festa de aniversário para ir, ou mesmo vamos na casa de amigos (com crianças) para eles poderem brincar. E de vez em quando dá para deixar os meninos com minha mãe para sairmos só eu e o maridão porque também merecemos nosso tempo juntos. Digo e repito, filho só é empecilho para quem quer. O nosso segredo é a organização.

E como todos os outros argumentos e questionamentos anteriores são falhos, o último na minha opinião é o pior deles. Como posso limitar o número de filhos pela minha capacidade financeira atual? Para mim esse é o maior dos absurdos!

Quero, como toda mãe, dar sempre o melhor para meus filhos, e hoje graças a Deus o Flávio tem um excelente emprego em uma empresa multinacional que me permite ficar em casa cuidando dos meninos. Claro que não temos muitos luxos, mas nunca nos faltou nada.

Sei que com o terceiro nossos gastos aumentarão, mas como posso prever o futuro? Tudo pode acontecer. Com meu marido trabalhando nessa empresa, ele tem grandes chances de promoções e aumentos de salários, eu pretendo trabalhar quando as crianças forem um pouco maiores, então os ganhos também irão aumentar!

Claro que pode acontecer também do Flávio perder o emprego e ficarmos sem dinheiro, mas creio que isso será uma situação muito especial que Deus estará me ensinando alguma coisa, e se isso acontecer lá no futuro vejo como lidar com isso. Não é meu desejo, mas se precisar coloco meus filhos em escola pública, vendo o carro e ando de ônibus, faço sacrifícios financeiros sim, mas tenho certeza que meus três filhos não irão gostar menos de mim por não poder pagar uma escola de alto nível aqui em São Paulo ou mesmo por não andarem com roupas de marca, mas o que vai definir minha relação com eles será o vínculo que criaremos ao longo dos anos, e isso não depende de dinheiro, só da qualidade e quantidade de amor que eu estarei disposta a dar para eles. E isso eu nunca economizarei e tenho bastante.

E é aqui que queria chegar. Acho que o número de filhos deve ser decidido pela quantidade de amor e disponibilidade que podemos dar à eles. Sei que sou capaz de cuidar e muito bem de três crianças e é por isso que vou tentar engravidar novamente. 

Sei que terei trabalho, ficarei exausta e esgotada muitas vezes, não farei nem terei tantas coisas quanto desejaria, mas o que sei é que no final tudo terá valido a pena quando eu tiver meus três filhos em casa brincando, bagunçando, me tirando do sério…Pois essa minha vida de mãe eu não troco por nada nesse mundo!

E quem sabe desta vez vem a menininha que eu tanto sonho, pois não é novidade para ninguém que sempre quis ter uma menina, sempre que pensava em ser mãe ainda pequena, sempre me via com uma menina. Porém Deus me mandou dois meninos para agitar minha vida, quem sabe agora terei minha princesinha. Mas também se vier outro menino, tudo bem, sei que vou amá-lo tão intensamente quanto os dois que já tenho. E antes que falem, não vou gostar mais da menina que dos meninos, como também não vou amá-los igualmente, mas darei a cada um deles o amor que eles individualmente necessitam, pois o amor de mãe é inexplicável, só quem é mãe entende.

E você quantos filhos quer ter?

27 comentários: