Páginas

8

Disciplina ou descontando raiva?

Sei que esse post será polêmico, então já digo que essa é MINHA opinião e MEU modo de criar meus filhos então lá vai.


Ontem no twiter vi (e também participei) de uma discussão sobre dar ou não palmada nos filhos. Uma das minhas amigas #twitmães que sigo disse: 

"SÓ PRA CONSTAR! detesto essa psicologia moderna! Só serve pros filhos montarem cada vez mais nos pais! Se precisar dou um tapa no bumbum sim; Me critiquem quem quiser e se quiser dar unfollow tbm fiquem a vontade! Mas dizer como temos que educar nossos filhos é demais! #prontofalei"
Concordei com ela e aí vieram algumas outras mães criticando, dizendo que já bateram nos filhos e se arrependeram, outra teve a audácia de me dizer: 
"ai genz.. se souber educar nao precisa dar palmada nao.. so de falar eles obedecem, eu nao dou nao"
 Eu não sei de que mundo essa mãe vem, mas eu não conheço nenhuma mãe que somente de falar os filhos obedecem, se eu estiver errada me corrijam, mas eu educo muito bem meus filhos sim, sem falsa modéstia, eu, meus filhos (e claro meu marido também) somos sempre muito elogiados em relação à educação dos meninos; como sempre digo, são meninos agitados que gostam de brincar, pular e correr, mas sabem se portar em qualquer situação. Mas em casa eles nos desafiam o tempo todo, não conheço nenhuma criança que não faça isso. E resolver desafio só na conversa? Nunca vi…, aqui sempre temos que "lembrá-los"de quem é que manda, senão vira bagunça (e na minha opinião é por causa desse tipo de "conversa"que temos tantas crianças mal educadas, arrogantes e praticantes de bullyng por aí…)

E como disse no começo que esse seria um post polêmico vou defender meu ponto e explicar o porquê e como faço uso da disciplina física (pois não gosto do nome palmada, mas a palmada é uma disciplina física).

A primeira coisa, é mandamento bíblico. E antes que falem besteira, NÃO, DEUS NÃO MANDA NINGUÉM ESPANCAR O FILHO!!!!!

A bíblia diz: "A estultícia está ligada ao coração da criança, mas a vara da correção a afugentará dela." Pv 22:15

Nesse versículo Deus diz que que a estultícia (que quer dizer malandragem, safadeza mesmo) já está no coração da criança, e o modo para tirar isso é a correção física (vara da disciplina). E também diz que essa disciplina mostra que você ama seu filho como diz em "quem não faz uso da vara odeia seu filho, mas o que o ama, desde cedo o disciplina."Pv 13:24

E esse é o meu segundo, e não menos importante argumento, a disciplina física deve ser feita SEMPRE, repito S E M P R E,  em amor!

E é sobre esse ponto que quero discorrer.

Quando ouço mães dizendo que não dão "palmadas" nos filhos porque já o fizeram e se arrependeram foi porque em 100% das vezes estavam muito nervosas e perderam o controle (e é aí que mora o perigo), e depois da palmada, viram que fizeram besteira, se arrependem e tentam não repetir o ato.

Esse tipo de palmada concordo sim que é violência contra a criança. Muitas vezes aquela palmada não é somente pelo que a criança estava fazendo, mas sim está carregada de stress e frustrações que ocorreram no decorrer do dia (ou da semana, mês…o tempo que a mãe não aguentar e explodir) e a criança sente isso, e aí vem o choro magoado e sentido com aquele olhar de "o que eu fiz para merecer isso"? da criança. E realmente ela muito provavelmente não teve culpa e nem mereceu aquela agressão física. O que foi feito nessa criança foi o desconto da raiva. Muitas dessas mães estão cansadas e frustradas e descontam isso na criança. Isso sim é um abuso e absurdo e não pode ser tolerado!

O que eu faço com meus filhos é a disciplina em amor.

Aqui temos a seguinte regra: eles tem que obedecer eu e meu marido, pois somos seus pais e só nós sabemos o que é melhor para eles. Algumas coisas abrimos para discussões, mas certas regras são indiscutíveis e se desobedecidas são disciplinados fisicamente (só um exemplo para não me chamarem de louca, uma dessas regras imutáveis é pular na escada, pois moro em sobrado, e se brincarem na escada é disciplina na certa, pois se caírem podem não ter outra chance, concordam comigo? Tem outras, esse é só um exemplo, e eles conhecem quais são todas essas regras).

Mas como executamos essa disciplina? Também temos regras rígidas para discipliná-los fisicamente, e essas regras NUNCA são quebradas, posso garantir:

1) Eles sempre são avisados e conhecem as regras, a disciplina nunca acontece se eles não sabiam daquela regra;

2) SEMPRE estarmos (quem for disciplinar) calmo para disciplinar;

3) A disciplina SEMPRE acontece em um lugar privado, se estou na casa de alguém vou para um quarto ou até mesmo para o banheiro, pois é para ensiná-lo e não humilhá-lo;

4)  Sempre explico o porquê da disciplina, reitero que uma regra foi quebrada e ele precisa entender que precisa obedecer os pais, mesmo se não entender completamente o porquê (sei que eles não entendem o quanto poderão se machucar se caírem da escada, mas não vou deixá-los cair para poderem entender, certo?);

5) A disciplina é SEMPRE no bumbum, pois não machuca tanto;

6) Depois da disciplina tento acalmá-lo, explicar mais uma vez o ocorrido e dizer o quanto o amo e é por isso que estou fazendo aquilo;

7) E por último e mais importante, sair da disciplina "de bem" com seu filho, pois a disciplina serve para aproximar pais e filhos e NUNCA para afastá-los, então dou um grande beijo e abraço nele, saio com ele no colo (ou de mãos dadas) e 

8) NÃO SE TOCA MAIS NO ASSUNTO, problema disciplinado é problema resolvido!

Mas o principal de tudo isso, se por um acaso algum deles fez algo que me deixou muito irada, não disciplino, por isso é o primeiro ítem da lista de regras, falo para meu marido discipliná-lo, ou se estou sozinha explico que ele merecia a disciplina pelo que fez, mas por eu estar nervosa não posso discipliná-lo, pois estarei descontando minha raiva nele e isso não é certo. Acho que aí está toda a diferença!

Outra coisa, NINGUÉM tem o direito de encostar as mãos nos meus filhos, a disciplina e educação é um direito e dever dos pais e de mais ninguém, todos à nossa volta já sabem, se virem os dois aprontando todas, é para comunicar a mim ou ao meu marido, que nós, e somente nós, os disciplinaremos. Por isso também não concordo com certo tipo de educação que querem oferecer nas escolas. Educação e disciplina quem dá, são os pais em casa e ponto final!

Meus filhos gostam de ser disciplinados? Claro que não! Se gostassem não seria disciplina.  Mas apesar da pouca idade eles já entendem sim que a disciplina física é para o bem deles e sabem que nós os amamos muito e é por isso que fazemos o que fazemos.

Porém esse tipo de disciplina só ocorre em casos mais sérios e em última instância, pois também colocamos de castigo, conversamos, tiramos coisas que gostam…mas isso funciona melhor com o mais velho, pois com meu mais novo é mais difícil, por terem personalidades diferentes. Não é por qualquer besteira que agimos assim, só quando percebemos que nossa autoridade foi testada.

Posso dizer com certeza que nunca me arrependi de nenhuma vez que os disciplinei fisicamente, todas as vezes eles entenderam e nosso vínculo de amor aumentou, isso com meus dois meninos, e é por isso que sei que estou agindo certo.

Pode ser que no futuro me lamente por algumas regras e se podia ter sido mais branda, mas espero fazer isso com meus filhos crescidos, com suas próprias famílias sendo homens de bens e bons cidadãos (acho que aí é fácil se arrepender não é?). Mas também saberei que meu papel de mãe perante a sociedade foi cumprido.

E você já experimentou esse tipo de disciplina? Como foi? 

8 comentários:

Aretusa disse... [Responder o Comentário]

Se eu disser que nunca bati no bumbum da Sophia, vou estar mentindo, se disser que resolveu bater no bumbum dela, também, como também não é verdade que consigo controlar a situação falando sério e seguro com ela todas as vezes. Ela é pequena, o limite passa tanto pelo tom de voz como pelo tato, pelo controle físico mesmo e com o tempo, ela vai me obedecendo e respeitando cada vez mais e melhor. Não sou a favor de palmadas, mas às vezes elas têm seus efeitos. Como você disse, o perigo é perder o controle e é tão fácil perder esse controle, né? Por isso prefiro parar, me controlar e aí sim falar com ela, brigar, reclamar, o que for preciso.
Tem ficado mais fácil e surgido melhor efeito! Eles aprendem e nós também!
Beijocas,
Aretusa, mamãe da Doce Sophia

Vanessa disse... [Responder o Comentário]

Elaina, É, esse assunto dá mesmo pano pra manga. Tenho 41 anos e tomei algumas surras mas nunca achei que esse tipo de atitude fosse a melhor forma de educar. Eu não tenho o hábito de bater no meu filho, mas já dei algumas palmadas leves que não doeram mas serviram para alertar que mamae estava zangada. Ele já tomou palmadas do pai uma vez e meu marido ficou passando mal o dia todo por causa do confronto ter sido resolvido somente com palmadas. Ele nunca mais encostou a mão no Ernesto, que está com 3 anos. Ele teve uma fase crítica de desobediencia aos 2 anos que nos desafiou a pensar se palmada seria uma solução mas fazendo vários testes chamando atenção com firmeza, tirando as coisas que ele mais gostava de fazer, dando um castigo no cantinho do pensamento por alguns minutos resultaram melhor. Agora, com 3 anos e 10 meses ele é um menino animado, cheio de energia mas que já sabe como se comportar em casa e em público. Educar é muito importante. Uma criança que sabe como se portar no meio social sofrerá menos, por isso é grande nosso desafio de fazer com que eles vivam em sociedade com o minimo de sofrimento possivel para eles.

abraço, boa a sua discussão , seguirei o blog e vc no twitter.

Fanny Barbosa disse... [Responder o Comentário]

Amiga é o seguinte, cada macaco no seu galho, se na sua casa da certo assim, é sua casa e seu lar e ninguém têm o direito de meter o bedelho.
Aqui em casa não batemos, e não ameaçamos, apenas conversamos e negociamos.
Já usei a palmada uma vez, mas estava tão irritada que sei q ele não merecia, meu marido tb já fez isso, e eu passei dias sem falar com ele por causa disso.
Mas eu já sofri com violência domestica, apanhava todo dia do meu padastro, e sofri por anos com isso.
Espero que entenda o motivo pelo qual não sou a favor da palmada.
E qto as crianças que fazem bullyng, não é falta de palmada amiga, é falta de presença dos pais na educação.
Meu filho é uma criança normal como qlqr outra idade, quer brincar se soltar, mas eu digo q apenas pode fazer qdo eu deixar, as vezes funciona, as vezes não, quando não funciona ele é punido, fica em casa com a avó e a tia, e explico ele não está saindo pq não se comportou.
bjs e xêros

melissa disse... [Responder o Comentário]

Olha Elaina,eu sou do grupo q acredita q uma boa educação não inclui palmada! Aceito e respeito seu ponto de vista...mas nunca precisei bater na minha filha pra ela aprender q não pode e não deve fazer isso ou aquilo.A única vez q bati(ela tinha 2 anos e bati por descontrole meu-mesmo,como vc já deu exemplos) me arrependi mesmo,me senti uma gigante pisando numa formiguinha. Hj ela tem quase 6 e nos resolvemos muito bem com os nossos combinados e se preciso for os castigos(perder o direito a gente diz!ESpero ter contribuido com a discussão...Bjs

Mix Martins disse... [Responder o Comentário]

Nossa! Esse realmente é um tópico bem polêmico!
Acho que em situação nenhuma é legal disciplinar com raiva! Palavras são marcantes e essas marcas nos seguem pra vida toda. Muitas vezes, como filha, preferia uma boa palmada a palavras fortes que eram ditas do alto de um coração irado.
Equilíbrio tem que ser sempre a palavra-chave em todas as áreas da educação dos filhos, né?

Dina disse... [Responder o Comentário]

Eu respeito seu ponto de visto, não entendo, mas respeito =)

Hoje tmbm postei sobre isso, eu sou mega contra, mas cada caso é um caso e cada mãe sabe o que é melhor para o seu filho.

Beijos

Rebeca disse... [Responder o Comentário]

Vi esse post no twitter de uma moça que sigo e entrei para bisbilhotar. Eu não tenho filhos, então sei que não posso falar com toda a sabedoria de uma mãe mas eu tenho mãe e ja recebi umas palmadinhas no bumbum. Minha mãe nunca fez com força e, querem saber? Eu sou grata a ela.

Sempre que ia em um lugar (mercado, por eemplo), todo mundo elogiava pra minha mãe (em minha presença) minha educação em não sair pedindo as coisas, fazendo birra, gritando, falando alto, etc. Ela me explicava antes de irmos o que ia comprar e falava que eu podia escolher uma coisa, por exemplo. Ao chegar lá eu escolhia essa coisa e pronto, não pedia mais nada e nunca dei chilique. Posso falar que isso se deve ao fato de uma ou outra palmadinha quando eu desafiava a autoridade dela. Assim, quando ela falava "Rebeca a situação é X" eu entendia e acatava, proque a via como uma mãe e não uma coleguinha de escola.

As crianças (ja cuidei de muitas, trabalhei com isso) costumam desafiar a autoridade dos adultos. Acontece também com animais em determinada época de desenvolvimento. É como se, de forma inconsciente, fossem tomando atitudes com o objetivo de verem 'até onde podem chegar, até onde o adulto cede'. E se o adulto não se impor, a criança vira uma daquelas crianças nogentas que chegam na casa da tia e ficam pulando no sofá, na maior falta de educação. Nem sempre uma conversa resolve nessa fase 'desafiadora' da vida. Acreditem, eu fui criança e sei disso! rs

Aposto que eu ja poupei meus pais de passarem muita vergonha em locais públicos e hoje eu sou uma pessoa com limites. Nem mimada, nem com problemas psicológicos ou se achando a 'coitadinha': mas sabendo exatamento meu potencial e tendo orgulho disso. Se meus pais não me dessem umas palmadinhas, eu não seria assim. Agora, é aquilo né: eles souberam dosar a disciplina. Quando eu aprontava feio minha mãe mandava eu ir pro quarto 'pensar no que fiz' para que ela esfriasse a cabeça, ousseja, palmadas nunca no 'calor da emoção', só em situações extremas.

{luvadepelica.com.br}

Anônimo disse... [Responder o Comentário]

acho que a vara da educaçao, nao necessariamente é fisico. tem outras formas de disciplinar, sem ser batendo sim. tipo tirando algo que ele goste no momento, ou um castigo de televisao..algo deve ser tentado antes.
E quando vc bate e fala que é por amor. ensina tambem que quando as pessoas te amam, elas te machucam. Depois ficam com uma seria de sugestoes que nem tem consciencia no inconsciente, amando pessoas que nao sao saudaveis para ela.. e aceitando o que nao se deve aceitar..porque é por amor. Crianças vao realmente testar a educaçao, e a autoridade dos pais varias vezes.mas um pai e mae que se dao o respeito e ensinam isso aos filhos pelo exemplo em casa, um com o outro, e com as demais pessoas, os filhos vao consequentemente imitar, com um pouco de repreensão (ai sim a "vara") e nao agressao fisica com a vara, mao ou chinelo, em si.

é o que penso a sua colocaçao.